Início / Política / Eleição para reitoria da Ufam é prorrogada após problemas em urnas

Eleição para reitoria da Ufam é prorrogada após problemas em urnas

A eleição para escolher do novo reitor e vice-reitor da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) foi prorrogada para esta quinta-feira (23), devido a problemas em algumas urnas e na listagem de alunos. O pleito começou nesta quarta-feira (22).

Três candidatos concorrem ao pleito para reitoria da Ufam

De acordo com a presidente da Comissão de Consulta à Comunidade Universitária (CCCU/Ufam), Sonia Carvalho, as urnas enviadas para a Faculdade de Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis de Divinópolis (Faced) e Instituto de Ciências Humanas e Letras (ICHL), foram trocadas porque apresentaram problemas, impedido assim que os alunos das duas unidades votassem. Também ouve troca-troca nas listas com os nomes dos eleitores.

“Infelizmente, aconteceu esse problema e, por conta disso, conversamos com os candidatos e resolvemos prorrogar a eleição. Vamos fazer um levantamento dos lugares onde ocorreram os imprevistos e amanhã continuaremos a eleição”, disse a presidente da comissão, destacando que a votação será feita em urnas de lonas.

Ainda conforme a comissão, também houve registro de problemas em outras unidades como na Faculdade de Psicologia (FAPSI), Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF) e Faculdade de Ciências Agrárias Faculdade de Estudos Sociais (Fes).

Uma das candidatas ficou insatisfeita com a situação e pediu para a eleição ser cancelada. Entretanto, os dois outros candidatos preferiram continuar.  Três chapas concorrem ao pleito.

“Esses erros nos mostram a má fé nessa eleição. Nenhum aluno do ICHL votou, trocaram as urnas. Devido a isso, acreditamos que estão agindo de má fé, pois os alunos dessa unidade defendem a chapa 31. Eu preferia anular a eleição e fazer uma denúncia ao Ministério Público Estadual (MPE), mas os outros candidatos preferem continuar. Apesar disso tudo, temos condições de ganhar. Essa eleição era para ser bonita e clara. Estou 37 anos na Ufam e nunca pensei que chegaríamos a esse ponto. Nos vamos ganhar independente dessas manobras, mas, sinceramente, estou me sentindo envergonhada com essa situação”, frisou a professora Arminda Mourão, candidata da chapa 31 “Contraponto”, que tem como vice a professora Iolete Ribeiro.

A candidata destacou ainda que a votação em papel fragiliza o pleito. “Isso fragiliza totalmente. O processo está comprometido. Tínhamos de anular o pleito para poder organizar outro na sexta-feira (24). Desse jeito a universidade está dando um mal exemplo para os alunos”, encerou.

O professor Sylvio Puga candidatado pela Chapa 33 “Ufam: conectada para o futuro”, e seu vice, professor Jacob Cohen, discordam da ideia de anular o processo.

“ O pleito tem que continuar, não podemos anular. Temos que respeitar as pessoas que já votaram. Sei que esses problemas que ocorreram são bem desconfortáveis, mas temos que prosseguir”, falou o professor Sylvio Puga.

Além da capital, ocorrem eleições nas unidades dos municípios de Itacoatiara, Benjamim Constant, Humaitá, Coari e Parintins.

Apuração das urnas

A contagem de todas as urnas, eletrônicas e lonas, ocorrerá a partir 21h, no auditório Eulálio Chaves, no mini campus da Ufam. Caso nenhuma das chapas alcance mais de 50% dos votos, as duas mais votadas disputarão o segundo turno no dia 31.

Após esse processo, o Conselho Universitário (Consuni) da Ufam irá proceder a eleição do reitor, conforme determina a Legislação Federal. Nesta etapa, há um compromisso histórico de respeitar a vontade soberana da universidade, ou seja, o reitor escolhido pela comunidade é o reitor indicado para o Ministério da Educação (MEC). A reunião do Consuni irá ocorrer no dia 7 de abril.///EM TEMPO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Powered by keepvid themefull earn money