Início / Cidades / Prefeitura impede uso de árvores como suporte para venda ambulante na Djalma Batista

Prefeitura impede uso de árvores como suporte para venda ambulante na Djalma Batista

Uma equipe da Gerência de Corte e Poda da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas) realizou no início da tarde desta segunda-feira, 16, uma ação de manejo fitossanitário nos ipês e paus-pretinhos existentes no cruzamento das avenidas João Valério e Djalma Batista, no Vieiralves, Zona Centro-Sul.

As árvores estavam sendo utilizadas pelos vendedores ambulantes que atuam naquela área como suportes para exposição dos produtos colocados à venda, a exemplo de frutas e hortaliças. Em um dos ipês, no canteiro central da Djalma Batista, os técnicos localizaram nos troncos indícios de perfuração com prego para essa finalidade. Os vendedores foram orientados a não utilizarem as árvores como cabides, sob pena de serem autuados em caso de reincidência.

 

O gerente de Corte e Poda da Semmas, Wellington Auzier, explica que esse cuidado deve ser permanente, pois a perfuração causada pelos pregos e a amarração feita muitas vezes com arames e cordas sintéticas acaba se tornando porta de entrada para fungos e bactérias, que podem causar danos às árvores e acelerar sua morte. Os técnicos foram ao local após receberem denúncias.

 

Trabalho semelhante foi realizado pela Semmas ao longo de 2016 nas principais ruas do Centro. Em apenas duas inspeções, nos meses de junho e julho, 397 pregos foram retirados das árvores existentes nas avenidas Eduardo Ribeiro e ruas Saldanha Marinho, Doutor Clemente.

 

“Esta é uma ação preventiva que visa evitar que o problema prolifere e atinja um numero ainda maior de árvores”, afirma Auzier. O trabalho terá continuidade em outras áreas. As denúncias podem ser feitas por meio do 0800-092-2000 ou pelo 3236-6405.

 

Em outras ações, além de pregos, foram retirados também pneus, placas, correntes, cadeados e instalações elétricas fincadas nos troncos de árvores. Causar maus tratos às árvores é crime ambiental, previsto no Código Ambiental do Município (Lei 605/2001) e pode render multas que variam de 51 a 250 Unidades Fiscais do Município (UFMs).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Powered by keepvid themefull earn money